logo spark2d

Disruption Blog

Category: Inovação

Tem a certeza que conhece o seu Cliente?

Regressamos ao trabalho de Clayton Christensen, figura incontornável do mundo académico da inovação, desta vez para falar do trabalho Know Your Customers’ “Jobs to Be Done” publicado na Harvard Business Review de setembro do ano passado. Neste artigo, Clayton Christensen concretiza muito bem um tema há muito falado no mundo da inovação: no desenvolvimento de novos produtos o importante é encontrar as necessidades das pessoas que não estão preenchidas ou que estão mal preenchidas com os produtos e serviços existentes no mercado. Clayton Christensen vai mais longe afirmando que as empresas estão a seguir o caminho errado ao colecionar dados infindáveis sobre os clientes e a procurar correlações e padrões que permitam determinar as características sociodemográficas destes. As características de…

Continuar a ler

Inovar sem utilidade?

Nascida no Japão no início da década de 90, Chindogu é a arte de inventar um objeto engenhoso que, à primeira vista, parece a solução ideal para um problema específico, mas que na prática não tem grande utilização. As invenções são muitas vezes bem-humoradas e resolvem um problema quotidiano, mas de uma forma muito pouco convencional e muitas vezes embaraçosa. Estas características, na prática, impedem a sua utilização no dia-a-dia. As fotografias no cabeçalho deste artigo mostram alguns exemplos, como os pauzinhos para comer com uma ventoinha que arrefece a comida. O conceito foi inventado por Kenji Kawakami, um inventor japonês, e depois foi popularizado no mundo ocidental por Dan Papia. Kawakami e Papia escreveram em 1995 o livro 101…

Continuar a ler

Mas afinal o que é uma Tecnologia Disruptiva?

Numa altura em que se fala tanto de inovação, disrupção e startups não deixa de ser interessante voltar ao artigo original de Clayton Christensen que cunhou o termo Tecnologia Disruptiva, com mais de 20 anos, verificar a sua atualidade, notar como muito do que ainda hoje se escreve sobre inovação está inspirado nesta descoberta, mas também que há muitos fenómenos de inovação transformacional que este modelo não explica. A teoria da Inovação Disruptiva foi publicada pela primeira vez na Harvard Business Review de janeiro de 1995 e mostrou que um dos padrões mais consistentes no mundo dos negócios é o fracasso das empresas líderes de mercado em preservar essa liderança, quando há uma mudança tecnológica significativa. Paradoxalmente, essas empresas estabelecidas…

Continuar a ler

Quer inovar? Falhe, falhe muito e rápido

Um dos pilares essenciais da Transformação Digital é a inovação, o processo pelo qual novas ideias são maturadas, testadas e levadas ao mercado. Tradicionalmente a inovação focava-se apenas no produto acabado e era demorada. A maioria das decisões no processo de inovação eram baseadas na opinião e análise de peritos e gestores. O custo de falhar era portanto elevado. Atualmente as startups mostram-nos um caminho bem diferente para a inovação de produtos e serviços, com base em aprendizagem contínua e experimentação rápida. É hoje mais fácil testar ideias, através das tecnologias digitais, em todas as fases do processo de inovação: desde a fase conceptual até à comercialização e mesmo depois. A nova abordagem foca-se em testar Produtos Viáveis Mínimos (Minimum…

Continuar a ler