logo spark2d

Disruption Blog

Author: Rui Sousa Pedro (page 1 of 5)

O NPS não é o indicador mágico que procura

Em 2003, Fred Reichheld publicou um artigo na Harvard Business Review denominado “The One Number You Need To Grow” (“O único número que precisa para crescer”), que causou um enorme impacto no mundo dos negócios.  Neste artigo, Fred Reichheld apresenta o Net Promoter Score ou NPS®, que se baseia na crença que todos os clientes de uma empresa podem ser classificados como Promotores, Passivos ou Detratores. Reichheld afirma que ao fazer a simples pergunta – “Recomendaria a empresa X a um amigo ou colega?” –, poderá ter uma perspetiva do desempenho da sua empresa através dos olhos dos seus clientes. Os clientes respondem como um número numa escala de 11 pontos (de 0 a 10) e são categorizados da seguinte…

Continuar a ler

A experiência do cliente é o seu negócio

A experiência do cliente O tema da experiência do cliente (em inglês, customer experience ou CX) está em alta. Uma procura no Google por “customer experience” ao dia de hoje, retorna cerca de 1,720,000,000 resultados. De acordo com a Wikipedia, “a experiência do cliente (CX) é o produto da interação entre uma organização e um cliente ao longo da duração do seu relacionamento”. Podemos também ler que “A experiência do cliente engloba todos os aspetos da oferta de uma empresa – a qualidade do atendimento ao cliente, é claro, mas também os recursos de publicidade, embalagem, funcionalidades dos produtos e serviços, facilidade de uso e confiabilidade”. Quando falamos em “experiência do cliente”, referimo-nos à soma de tudo aquilo que o…

Continuar a ler

Scrum e Kanban em 8 minutos

Muitas pessoas, ao ouvirem falar de desenvolvimento ágil de software pensam em Scrum, mas há outras frameworks alternativas, como o Kanban, que embora seja menos popular, tem as suas virtudes. Neste artigo tentaremos mostrar muito sucintamente como funcionam Scrum e Kanban. Duas frameworks de desenvolvimento ágil de software É importante dizer que tanto Scrum como Kanban são frameworks de desenvolvimento de software e não processos de desenvolvimento. Isto significa que tanto um como o outro se baseiam num conjunto de princípios e dão um conjunto de recomendações, mas são permissivos na forma como devem ser aplicados. Cada empresa deve estudar as frameworks e, caso decida adotar alguma (ou ambas!), deverá ajustá-la à sua realidade, adaptando-a gradualmente, à medida das suas…

Continuar a ler

A (outra) matriz

Este artigo não é sobre o Matrix, a série de filmes protagonizada por Neo, Morpheus, Trinity e pelo Agent Smith. Nem vamos aqui receitar um comprimido que faz com que todas aquelas tarefas que tem em atraso apareçam miraculosamente feitas. Vamos aqui apresentar, de forma ligeira, as bases de uma matriz de 2×2 que pode ajudá-lo a estabelecer as suas prioridades e a gerir melhor o seu tempo. É perfeitamente compatível com os princípios que defendemos para metodologias e organizações ágeis e pode ajudá-lo, tanto na sua vida profissional, como na sua vida pessoal. O nome de Matriz de Eisenhower deriva de Dwight David “Ike” Eisenhower que de acordo com a Wikipedia “nasceu a 14 de Outubro de 1890, era…

Continuar a ler

Older posts